sábado, 13 de fevereiro de 2010

HOJE TE AMO






Te amo, e soam os arpejos de tua voz
e surgem desde a areia, asfixiada de êxtase,
cata-ventos de ébanos rosados, que são barcos etéreos
no oceano de tua pele e dos meus sonhos.
Libero plenilúnios que mutilam a noite
e subo a teu ombro meu alento de cinza
Avanços entre clareiras de infortúnios
pela imprudência sutil de teus suspiros
e é um conjuro de ervas o jardim de teu horizonte
por onde morde o Sol tua cintura suada e pressurosa.
Hoje te amo, cavalgando em um retângulo mudo
desde as crinas sedosas de teu talhe
e é um coro perene e implacável teu clamor ante o eclipse
Coração Selvagem!
Bebo em tua vertente a seiva de teu umbigo
e emirjo para teus olhos
para descobrir meu delírio nos montes de tua selva
Te amo, e o muro oculta sua lepra de musgos
e os bêbados do mapa ziguezagueiam
pelas fronteiras da derrubada,
onde já nada impede o exílio até seus seios,
e nada bloqueia meu êxodo de lábios
à borda interminável e sensual de teus abismos.-

Walter Faila
Argentina
Tradução: Maria Lua

3 comentários:

FANNY JEM WONG disse...

ES MUY HERMOSO
BESOS
JEM WONG

Maria Lua disse...

Um belo poema,
querido amigo Walter...
Lindas imagens...
Beijos co carinho
Maria Lua

Walter Faila disse...

Gracias amigas, besos a las dos, y gracias Maria además, por la traducción, mi cariño de siempre.-